Português  |  English   Facebook        Youtube
Drop Down Menu
Mais um estado de Alma

Á minha mais forte estrutura, ao meu mais profundo alicerce, à razão de ser da minha existência.

A minha família: Pai o meu homem, que me ensinaste a amar, respeitar e servir o fado, mas nunca servir-me dele. O fado está-me na alma e não na moda.

..."Ser fadista não se ensina, não se aprende nasce logo quando nasce uma pessoa, esta voz que cá de dentro nos responde, que nos vem não sei d’aonde, não se compra, nem se vende"... Assim dizia o poeta.

Mãe que me puseste aqui e tens o teu coração a bater junto com o meu. Mana (a quem dedico a faixa 14) Não há eu sem tu, minha metade e está tudo dito. Filha minha continuidade meu doce e amargo crescimento adoro-te. Aléxia que alimentas todos os dias o meu sorriso. Gabriel sê bem vindo ao nosso mundo de amor. Ivan o meu eterno menino. Mano Zé o braço direito carinhoso de que não prescindo. Alicinha és p’ra mim o que sabes, e sou e serei p’ra ti o que sentes mas nunca disseste. Zé Carlos e Bombom meus eternos companheiros com quem partilhei a vida em alturas diferentes. Tété que me abraças todos os dias dum lugar que ainda não conheço. E a meia dúzia de amigos que amo (vocês sabem quem são) os que riem mas também choram comigo, que compartilham o silêncio quando as palavras se esgotam. Foi por vocês e p’ra vocês este trabalho e convosco quero partilhar este possível regresso, ou não, só Deus (com quem às vezes discuto a propósito de como vai o mundo) saberá. E finalmente a ti público com quem já partilhei 33 anos (fora uns “picos”) da minha vida na ténue esperança que gostes, e reconheças que este é um projecto de amor, por amor e com amor.

Um beijo e até sempre (se quiserem)

Marina Mota Janeiro de 2006

Marina Mota - 2013 - Todos os Direitos Reservados